Registro e Aprovação - Configuração da Máquina

Palavras Chave: máquina, configuração, inserção de pontos individuais, notas, configuração do processo, tendência linear.

Retratação

Esta nota de aplicação é apenas para uso de referência. Não use estas diretrizes sem autorização expressa de sua organização.

Propósito

Para ajudar no processo de configuração / validação estabelecessem estatísticas baseadas na configuração dos limites da organização. Uma vez que é concluída a estabilidade dentro destes limites, o processo pode ser liberado para a completa produção.

Nota: Os seguintes procedimentos apenas se aplicam quando Cpk > 1 e Ppk >1.

Procedimento

Criar um grupo de dados chamado “Setup”. Neste grupo de dados criar uma “configuração da característica” para cada processo ou variável a ser monitorada. Essas características serão usadas para registrar dados e configurar a carta de dados, notas e instruções. Use características idênticas, mas separadas de características “em processo" para coleção de dados de processo contínuo. Crie um grupo de dados separado para características “em processo”. Nós recomendamos usar duas configurações de características porque o tipo de informação que é armazenada em cada é diferente. Notas de processo trabalham com instruções e até mesmo com limites de especificação que podem ser diferentes entre os dois tipos de características embora eles originem da mesma parte e se relacionem às mesmas variáveis.

Duas configurações de limites irão ser usadas para configurar características. Na primeira configuração são modificados os limites de especificação que serão usados nas amostras individuais de subgrupo. A segunda configuração dos limites é dos limites de controle, que serão congelados a níveis históricos ou calculados até certo ponto de um estudo de capacidade de processo em curto prazo descrito abaixo. Eles estão mais apertados (justos) do que os modificados ou limites de especificação são usados para as médias dos subgrupos.

Ao criar “configuração” das características especifique o "Mostrar leituras individuais” e "Limites de Especificação" opção em Preferências / Mostrar Preferências / aba Apresentação da Carta de Controle. Isto causará leituras individuais de cada subgrupo para aparecer na carta junto com os limites de especificação (se a escala de carta permitir). Finalmente, vá para Opções / Limites de Controle do menu na janela de definição da característica. Crie ou especifique limites de controle congelados para a carta de controle que usa as diretrizes mostradas abaixo. Também é aconselhável criar um parâmetro para o nome da pessoa da organização para propósitos de rastreamento. Outros parâmetros de rastreabilidade podem incluir: provedor material ID, estampagem ID, número de máquina, etc.

Estabelecendo Limites de Organização

Configuração dos Limites de Especificação

Os valores para esses limites podem ser inseridos nos campos de limite de especificação superior e inferior na janela de criação da característica. Eles são determinados a partir de registros históricos, use a faixa de + / - 3 limites de sigma para amostras individuais como limites de especificação modificados. O horizonte de tempo para esta análise pode ser importante como discutido no exemplo de processo de tendência abaixo. Localize estes + / - 3 limites sigma dentro da verdadeira faixa de especificação para o processo de acordo com o próximo tipo de processo discutido.

Se você não tem uma informação histórica (+ / - 3 sigmas) faça uma corrida de estudo de capacidade da peça e deixe o DataLyzer® calcular esta faixa.

Se o processo normalmente é distribuído e não ocorre tendência ou tendências muito lentamente devido ao uso de ferramenta ou outros fatores, os limites de especificação modificados (3 limites de sigma individuais) deveria ser centrado na impressão nominal (média=impressão nominal) no gráfico de x-bar. Limites de controle modificados deveriam também ser centrados na impressão nominal (veja abaixo limites de controle congelados). Ajuste a máquina na fase de startup até todos os pontos individuais de cada subgrupo coletado caiam dentro dos limites de especificação modificados e toda a média do subgrupo caia dentro dos limites de controle congelados. Estes são os objetivos de configuração para o gráfico de x-bar. Uma vez que esta condição é alcançada durante o processo de configuração, o processo pode ser libertado para completa produção. Quando a liberação de produção é autorizada, a outra configuração de características “em processo" deveria ser usada para coleção de dados. Para processos normalmente distribuídos, que não fazem tendência, a organização e características “em processo” são idênticas (pelo menos até onde colocações de limite estão consideradas).

Se o processo tende para cima ou para baixo devido ao uso de ferramentas ou outros fatores, localize ambas as configurações de limites para a origem da faixa de especificação. O propósito é permitir ao processo a oportunidade para tendência até onde for possível antes que deva ser parado ao outro limite de especificação para uma mudança de ferramenta ou ajuste. Para configurar os limites para esta tendência, use + / - 3 sigma de históricos individuais. Comece com o mais baixo limite de especificação verdadeiro e some 3 sigmas (individual). O último objetivo durante a configuração deveria ser localizar a média de processo neste objetivo. Adicione 3 sigmas (individual) para este valor “designado” para configurar o limite de especificação superior modificado no DataLyzer. Agora calcule sigma individual / sqrt(n) (Veja Juran´s Quality Control Handbook - 4ª Edição página 24. 9). Isto produz um sigma de subgrupo tamanho n. Congele os limites de controle para + / - 3 sigmas (subgrupos) do "alvo" que você há pouco estabeleceu. Estes deveriam ser congelados, limites de controle modificado para o DataLyzer.

A configuração deveria ter 3 objetivos:

  1. Ajustar a máquina na fase de startup de forma que todos os pontos individuais de cada subgrupo coletado caia dentro dos limites de especificação.
  2. Todas as médias de subgrupos deveriam também cair dentro dos limites de controle congelados.
  3. Média dos dados coletados durante a fase de setup deveriam ser próximos o bastante para o objetivo de supervisão de sinais fora.

Limites de Controle Congelados

A faixa de limite de controle para a média de subgrupo (limites de controle congelados) pode ser estabelecida levando em conta o processo histórico de + / - 3 sigmas e dividindo isto pela raiz quadrada do tamanho de amostra (tamanho de subgrupo) a ser usado para coleta de subgrupos de dados. Estes limites são mais justos do que o limite de especificação mencionado acima. Centralize esta faixa dentro dos limites de especificação modificados e os use como limites para médias de subgrupo a serem inseridas durante a configuração.

Avalie

Ao inserir os dados, leve subgrupo de 3-5 amostras sucessivas. A média do ponto deve estar dentro das linhas vermelhas dos limites de controle congelados e todos os pontos individuais (amostras) do subgrupo devem estar dentro das linhas amarelas (limites de especificação modificados).

Se qualquer uma das condições anteriores não é conhecida, faça ajustes à configuração da máquina. Inicie o processo e permita alcançar a velocidade de produção. Repita a coleta de dados e avalie ambas as condições acima conhecidas.

Insira uma nota manual para que em cada seqüência indique o que foi mudado. A nota final deveria incluir a aprovação de supervisor e os dados salvos.

Dependendo do objetivo da análise, cálculos de Cpk e Ppk tornam-se inválidos quando modificado os limites de especificação.

Com processos de tendências, é melhor considerar o estudo da capacidade a curto prazo com Ppk e Cpk baseados em um grupo particular ou lote, porque o processo de tendência altera a variação e produz um quadro diferente do que está acima designado.

Permita ao processo chegar à tendência até o limite de especificação. Use o sigma original individual ou, para uma visão mais precisa, refaça um estudo de capacidade de 30 peças para determinar o atual sigma individual. Há duas razões para este passo “extra”:

  1. Um estudo de capacidade em curto prazo minimizará o efeito de inclinação dos dados de tendência.
  2. Serão aplicadas estatísticas normais com mais precisão.

Uma vez que o modelo do estudo em curto prazo é determinado, os cálculos seguintes podem ser aplicados para configurar o estado final dos limites de controle:

Congele o limite de controle superior de acordo com o gráfico (LSC - 3 sigma = Média aceitável) Média + / - est 3 sigma avgs. Congele os limites de controle nesses níveis. Neste caso os limites de controle superior serão únicos porque são próprios para cada processo de tendência. Para propósitos de discussão nós chamaremos isto de "limite de controle crítico".

Configurando os limites deste modo, qualquer determinada configuração de máquina pode ser maximizada.

O processo pode permitir a tendência até que alcance o limite de controle crítico. Neste caso, uma bandeira de limite de controle crítico sinalizará um ajuste de processo, para efeito de configuração da máquina nova. No estado final de configuração dos limites de controle dessa forma permitem alguns, se alguma amostra a ser produzida fora de especificação, através disso autoriza a qualidade de produção. Além disso, o estado final de limites de controle provêem um modelo econômico para aplicações de controle do processo estatístico para processos de tendências.

Calcular a capacidade do processo em processos de tendências é uma questão de política.

Calculado para funcionamento, a configuração para o limite de controle crítico que pára o processo, portanto, Cpk e Ppk devem ser aproximadamente 1.0.

Entretanto, analisando um termo do estudo da capabilidade mais curto (lotes de produção diários) (Cpk/Ppk) valores serão muito mais elevados porque o efeito da tendência é removido.

A capabilidade do processo que relata os métodos deve ser mutuamente concordada entre o produtor e seu cliente. O produtor nunca deve relatar os estudos da capabilidade do cliente baseados em especificações modificadas da fase da configuração. As especificações modificadas estão mais justas do que limites de especificação verdadeiros e não refletem as exigências do cliente.

Juntando Partes e Tendências

Se o processo gerar partes que se juntam com outras partes, pode ser aconselhável encontrar ambos os processos para minimizar a oportunidade para que as peças sejam unidas, que não se juntarão. Um exemplo deveria encontrar um processo de situação difícil para que suas especificações superiores e finais, e um plugue de acoplamento a ser ajustado para o fim mais baixo das especificações, assim o desgaste do processo da ferramenta faria com que estes processos se tendessem. Os processos devem ser parados, ajustados e reiniciados quando as distribuições de freqüência dos processos sobrepõem. A porcentagem das curvas da distribuição que a sobreposição representa é a porcentagem das partes produzidas que não ficarão juntas se unidas com outras partes da mesma área da outra distribuição. Como os processos que estão separados podem se sobrepor, o risco é do operador.

Se nenhuma informação histórica do processo estiver estabelecida ou disponível, rode o processo e faça 30 partes consecutivas do estudo. Rode um estudo da capabilidade no DataLyzer para determinar a capabilidade atual (Cpk & Ppk) e a capabilidade ótima do processo (CpI & PpI). Se estes estiverem dentro de uma proporção aceitável, use o limite de 3 sigmas produzido por este estudo para encontrar os limites individuais da amostra do processo (as especificações modificadas) de acordo com as estratégias mencionadas acima.

Notas de Aplicação do DataLyzer® Spectrum
Cumprimentos da Stephen Computer Services, Inc.

Número de controle: 265

http://www.datalyzer.com.br