CEP - Controle Estatístico de Processo
Abril/2012

Conhecendo a ferramenta 5W2H e como ela é utilizada

 

Olá amigos! Neste mês iremos falar sobre o plano de execução 5W2H e como ele é utilizado.

A ferramenta 5W2H coloca em prática a execução de um plano que auxilia na preparação de novas atividades, este método usa uma série de perguntas que ajudará a organização na tomada de decisões, ações e na atribuição de responsabilidades. São elas: o que fazer, por que fazer, onde fazer, quando fazer, quem irá fazer, como fazer e quanto custará.

Extremamente útil para empresas, pois se faz uma tabela do que precisará ser feito para a atividade, sem deixar duvidas, o que facilita a agilidade da atividade.

O nome desta ferramenta se dá por juntas a primeira letra dos nomes (em inglês) das diretrizes utilizados neste processo.

•  What – O que fazer? (etapas)

•  Quais os resultados dessa atividade?

•  Quais atividades são dependentes dessa?

•  Quais atividades são necessárias para o início desta?

•  Quais os insumos necessários?

•  Why – Por que fazer? (justificativa)

•  Por que essa atividade é necessária?

•  Por que essa atividade não pode fundir com outra atividade?

•  Por que A, B e C foram escolhidos para executar essa atividade?

•  Where – Onde fazer? (local)

•  Onde a atividade será executada?

•  Onde serão feitas as reuniões presenciais da equipe?

•  When – Quando fazer? (tempo)

•  Quando será o início da atividade?

•  Quando será o término?

•  Quando serão as reuniões presenciais?

•  Who – Por quem será feito? (responsabilidade)

•  Quem executará determinada atividade?

•  Quem depende da execução dessa atividade?

•  Essa atividade depende de quem para ser iniciada?

•  How – Como fazer? (método)

•   Como essa atividade será executada?

•  Como acompanhar o desenvolvimento dessa atividade?

•  Como A, B e C vão interagir para executar essa atividade?

•  How much – Quanto custará fazer? (custo)

•  Quanto custará essa atividade?

 

Existem outros dois tipos de nomenclaturas para esta ferramenta, é o caso do 5W1H que se exclui o “H” do “How much”, e o caso do 5W3H que se inclui o “H” do “How many” (quantos).

Para utilizar esta ferramenta você precisa estabelecer uma estratégia para identificar soluções para os problemas da sua empresa que você queira sanar. É preciso também ter em conta os seguintes pontos:

•  Ter certeza de estar implementando ações sobre as causas do problema, e não sobre seus efeitos;

•  Ter certeza que suas ações não tenham qualquer efeito colateral, caso contrário deverá tomar outras ações para eliminá-los;

•  É preciso propor diferentes soluções para os problemas analisados, certificando-se dos custos aplicados e da real eficácia de tais soluções.

 

Um exemplo de como implantar esta ferramenta, é você responder as sete perguntas acima com extrema clareza e objetivo, para não haver dúvidas. Logo depois você deve criar uma tabela explicativa com tudo o que foi planejado, tentando ao máximo especificar cada etapa do processo, caso contrário a ferramenta não ajudará.


doutorcep@datalyzer.com.br

Cartas de controle para variáveis

Cartas de controle para variáveis são poderosas ferramentas que podem ser utilizadas quando as medições de um processo estão disponíveis. Exemplos disto poderia ser o diâmetro de um rolamento, o esforço para fechar uma porta, ou o tempo para se revisar um certificado. Cartas para variáveis – e especialmente suas formas mais comuns, as cartas (X-barra) e R – representam a aplicação típica do controle do processo através de cartas de controle.

Cartas de controle para variáveis são particularmente úteis por diversas razões:

•  A maioria dos processos e seus resultados possuem características que são mensuráveis, por isso seu potencial de aplicação é grande.

•  Um valor quantitativo (ex.: “o diâmetro é 16.45 mm”) contém mais informação do que uma simples declaração Sim – Não (ex.: “o diâmetro está conforme à especificação).

•  Apesar da obtenção de dados medidos serem geralmente mais oneroso que um dado do tipo “Passa - Não Passa”, menores quantidades de peças precisam ser verificadas para se obter mais informação sobre o processo, então, em alguns casos, o custo total de medição pode ser menor.

•  Pelo fato de ser necessário verificar menos peças antes de tomar decisões confiáveis, o intervalo de tempo entre a produção de peças e ações corretivas pode ser freqüentemente reduzida.

•  Com dados do tipo variáveis, o desempenho de um processo pode ser analisado e a melhoria pode ser quantificada, mesmo se todos os valores individuais estiverem dentro dos limites de especificação; isto é importante na busca de melhoria contínua.

As cartas para variáveis podem explicar dados do processo em termos de dispersão (variabilidade peça-a-peça) e localização (média do processo). Por causa disto, cartas de controle para variáveis deveriam sempre ser preparadas e analisadas aos pares – uma carta para localização e outra para dispersão. O par mais comumente utilizado é o das cartas e R. é a média dos valores em pequenos subgrupos – uma medida de localização; R é a amplitude dos valores dentro de cada subgrupo (o maior menos o menos) – uma medida de dispersão.

 

Aguardem até o próximo mês!!!

http://www.datalyzer.com.br