CEP - Controle Estatístico de Processo
Outubro/2010
Menos desperdício = Maior lucro

Em algum momento da vida, todos nós já reclamamos do mau uso do dinheiro público, não é mesmo? Aliás, com razão, já que esse dinheiro é fruto do esforço e da riqueza produzida por nosso povo. Não podemos permitir que ele seja desperdiçado. Mas, como anda o desperdício dentro de nossa empresa ? Temos procurado gerar índices que nos ajudem a revelar os níveis de desperdícios dentro daquilo que produzimos? O interessante é que o desperdício é conseqüência de comportamentos e hábitos que, muitas vezes, ninguém vê, ninguém toca, mas todo mundo já ouviu falar. E quando aparecem, podem causar danos terríveis para uma organização.

Quando passamos a monitorar os custos daquilo que produzimos, olhando num período maior, como um ano, por exemplo, é possível detectar a economia que uma redução de 10% num determinado consumo pode trazer para a empresa. Mas, onde achar o desperdício ? Bem, há algumas áreas onde é muito comum detecta-lo: tempo, dinheiro, recursos (água, energia, matéria-prima), espaço, idéias, retrabalhos, talentos e muitas outras. E como evita-lo? Há uma estratégia simples: mudar comportamentos e hábitos, pois pequenas ações trazem grandes resultados. Por isso, os programas de qualidade e melhoria contínua preconizam, em sua essência, o envolvimento e conscientização dos colaboradores da empresa, pois só assim os resultados aparecerão. Enquanto houver alguns lutando contra o desperdício, e outros sem o menor interesse, todos irão sofrer com as conseqüências e a empresa estará em sérios apuros. Vamos lá ?


doutorcep@datalyzer.com.br
Amostras e Subgrupos

Quando criamos cartas R, que tamanho de amostra deve ser estipulado ? - Leve em consideração o tempo e o custo de coletar dados de uma amostra, e a quantidade de dados que serão obtidos. Normalmente, cartas R são utilizadas com amostras de tamanho menor que 10.

  • Na medida do possível, para uma mesma carta de controle, obtenha amostras sob as mesmas condições técnicas: a mesma máquina, o mesmo operador, o mesmo lote e assim por diante.

  • A freqüência da amostragem estará vinculada à sua capacidade de distinguir padrões nos dados obtidos. Considere usar períodos como meia hora, uma hora, um dia, um turno, um mês, um ano, uma partida, etc. Uma vez que o processo "entre em controle", pode-se fazer um estudo para reduzir a freqüência com que a amostragem é feita.

  • Em geral, coletam-se entre 20 e 25 subgrupos de amostras antes de calcular as estatísticas e os limites de controle.

  • Utilizar dados históricos para estabelecer uma linha de base e comparação é uma estratégia a ser considerada.

  • É muito importante que as amostras sejam randômicas, ou seja, aleatórias. Para revelar a variação inerente do processo, a amostragem deve se desenvolver sem qualquer intervenção ou vício, de acordo com os procedimentos padrão.

Até mais.

http://www.datalyzer.com.br