CEP - Controle Estatístico de Processo
Janeiro/2013
Sucesso ou Fracasso Estratégico?

Diz um antigo ditado que “nenhum vento lhe será favorável se não souberes onde queres aportar” (Sêneca). Então, definir um objetivo torna-se imprescindível quando falamos de estratégias e produtividade.

No Brasil atual, é impressionante o número de empresas que seguem modismos de mercado, desconhecendo ou simplesmente desprezando a aplicação de uma das mais importantes ferramentas da gestão organizacional: o planejamento estratégico.

O planejamento estratégico é considerado um planejamento de longo alcance, no qual o horizonte de tempo é maior que um ano, sendo muito comum nas empresas brasileiras encontrarmos planejamento da ordem de cinco anos. Devido ao seu planejamento temporal longo, o planejamento estratégico opera com dados que são freqüentemente incompletos e imprecisos.

Na verdade, quando a organização possui uma meta e planeja a forma de atingi-la, fica muito mais fácil perceber se esta poderá ou não ser alcançada, ainda que seus dados sejam incompletos, observando as tendências de mercado. Então, mudar o rumo antes do naufrágio é mais simples, pois a organização mantém-se atenta às variáveis que possam interferir no resultado esperado.

Nos dias atuais, a estratégia não pode ser pensada apenas pela alta direção da empresa, já que o ambiente no qual as organizações estão inseridas altera-se com extrema velocidade. Então, quanto maior o número de pessoas pensando estrategicamente no futuro da empresa, maior será a capacidade de perceber as mudanças e de se adaptar a elas.

Muitas pessoas também acreditam que formular planos, ou estabelecer um planejamento estratégico é algo muito complicado; que só as grandes organizações possuem estrutura para suportar tal esforço. Outras crêem que o planejamento tira a flexibilidade da empresa, pois uma vez determinado o compromisso, este não pode mais ser mudado.

Na verdade, qualquer empresa, independente do tamanho ou perfil, pode formular estratégias de ação e perceberá que essa ferramenta facilita o cumprimento das metas. Sabe-se que, quanto maior a empresa, maior é a capacidade de acesso aos dados e de análise das variáveis que possam interferir no seu futuro.

Porém, independente do tamanho, pode-se e deve-se analisar o máximo possível de variáveis para determinar os objetivos.

Também devemos nos lembrar que todo planejamento sempre deve ser encarado como um processo de aprendizagem. Então, quando os objetivos estabelecidos não são atingidos, não é necessário justificar os erros, mas sim analisar as suas causas e aprender com elas.

Portanto, nos próximos anos, as empresas que não forem capazes de ter um planejamento e visão clara de como se diferenciar no mercado num futuro a longo prazo, de forma a se destacarem ou mesmo serem únicas no que fazem, serão facilmente aniquiladas pelos concorrentes.

    Fonte:
  • Statistical Methods for Quality Improvement: AOTS, Japão, 1988.
  • MARTINSKI, Aurélio. Estratégia é só para as grandes? Folha de Londrina, Londrina, 08 abr. 2002. Caderno Economia, Espaço IBQP-PR, p.3.
  • CECATTO, Cristiano. O importante não é apagar incêndios, o importante é planejar. Artigo. http://qualilog.com.br


doutorcep@datalyzer.com.br
Série “As Sete Ferramentas do Controle da Qualidade” - 7FCQ

É muito bom revê-los companheiros! Continuando a série, neste mês trataremos de uma ferramenta simples, porém imprescindível para visualizarmos rapidamente os defeitos de um processo. Vamos lá.

4ª Ferramenta - Listas de Verificação

Definição

A lista ou folha de verificação é uma planilha ou formulário para o registro de dados, sendo este um formulário de papel no qual os itens a serem verificados já estão impressos ou definidos, de modo que os dados possam ser coletados de forma fácil e concisa, tendo como finalidade facilitar a coleta de dados e organizá-los, para que possam ser facilmente usados posteriormente. Permite uma rápida percepção da realidade e uma imediata interpretação da situação, ajudando a diminuir erros e confusões.

A coleta e o registro dos dados parecem ser fáceis, mas na realidade não são. Usualmente, quanto mais pessoas processam dados, maior a possibilidade do aparecimento de erros de escrita. Por esta razão, a folha de verificação torna-se uma poderosa ferramenta de registro pelo fato dos dados serem imediatamente organizados sem a necessidade de rearranjo manual posterior.

Para que seus dados sejam confiáveis, toda lista de verificação deve ter espaço onde registrar o local, a data da coleta e o nome do responsável pelo trabalho. O layout da planilha depende do uso que se fará dela e qualquer que seja o propósito da coleta de dados é essencial que a forma de registro seja planejada para que sua utilização seja fácil e imediata.

Propósitos

As listas de verificação são ferramentas que questionam o processo e são relevantes para alcançar a qualidade, atendendo a diversos propósitos como:

  • Tornar os dados fáceis de se obter e de se utilizar;
  • Dispor os dados de uma forma mais organizada;
  • Verificar o tipo de defeito e sua porcentagem;
  • Verificar a localização do defeito: mostrar o local e a forma de ocorrência dos defeitos;
  • Verificar as causas dos defeitos.

Vantagens x Desvantagens das Listas de Verificação

fig1.gif

Estratificação

Antes de ser construída a folha de verificação, deve-se ter em mente a estratificação, que é uma ferramenta importante, e que precisa ser usada antes da coleta de dados.

Estratificar é agrupar elementos com as mesmas características, ou seja, itens iguais ou muito semelhantes, tendo causas e soluções comuns. O objetivo é encontrar padrões que auxiliem na compreensão dos mecanismos causais e variações de um processo.

No caso de dados contínuos, a estratificação seria a criação de classes de freqüência, nos discretos, a definição de variáveis ou parâmetros que filtrem os dados (ex.: data/hora, lote, fornecedor, turno, operador, categoria do defeito, etc.).




fig2.gif
Figura 1 - Estratificação


Tipos de Listas de Verificação

Existe uma infinidade de tipos de listas de verificação. Mostraremos algumas delas.

Lista de verificação para distribuição do processo de produção

Este tipo de lista é utilizado para estudar a distribuição de valores contínuos, característicos de alguns tipos de processo.

Neste caso, normalmente são usados histogramas. Porém, ao fazer um histograma é duplamente trabalhoso coletar uma grande quantidade de dados e, em seguida, fazer um gráfico mostrando a distribuição de freqüências. Um modo mais simples é classificar os dados no momento em que são coletados.

No exemplo abaixo, podemos acompanhar a variação nas dimensões de um certo tipo de peça cuja especificação de fabricação é 8.300 ± 0,005. Cada vez que uma medição é feita, um x é colocado no local apropriado, de forma a ter-se o histograma pronto quando as medições são completadas.

fig3.gif
Figura 2 – Listas de verificação para distribuição do processo de produção

Lista de verificação para item defeituoso

Este tipo de lista de verificação permite listar quantidades de defeito para cada item inspecionado, mostrando quais tipos de defeitos são freqüentes e quais não são, possibilitando uma estratificação dos dados para auxiliar nas ações corretivas.


Considerações ao desenvolver e utilizar este tipo de formulário:

  • A contagem de defeitos pode não ser necessariamente igual ao número de unidades rejeitadas (isto é, mais de um defeito por unidade);
  • A contagem de defeitos pode não refletir as mudanças ao longo do tempo;
  • Definições operacionais podem ser necessárias para certos defeitos;
  • Estas considerações podem ser gerenciadas através de um planejamento cuidadoso do formulário de coleta de dados;
  • O formulário de tipos de defeito precede a construção de um gráfico de Pareto.
fig4.gif
Figura 3 - Listas de verificação para itens defeituosos

Folha de Verificação de Localização de Dados

A folha de verificação de localização de dados permite a identificação e o registro da localização física das não-conformidades, defeitos, acidentes ou outros tipos de observação, tendo um poderoso papel na solução deste tipo de problema. Geralmente possui um tipo de croqui ou uma vista ampliada em que são feitas marcas de modo a permitir a observação da distribuição da ocorrência do defeito, sendo indispensável no diagnóstico do processo.

fig5.gif
Figura 4 – Lista de verificação para Localização de Dados – Não conformidades em chapa de vidro de 36 m2.


fig6.gif
Figura 5 – Lista de verificação para Localização de Defeitos – Localização de bolha em peça fundida.

Formulários de registro

Quando os valores a serem registrados não são conhecidos antes da atividade da coleta de dados devemos usar os formulários de registro, devendo-se escrever a informação e não apenas “checá-la”.

Muitos formulários de registro usados em negócios se enquadram na situação acima.

Dois tipos básicos comumente usados de maneira a melhorar a qualidade são o formulário de coleta de dados de variáveis e o gráfico de controle que será explanado posteriormente.

fig7.gif
Figura 6 – Formulário de Registro

Até a próxima edição, pessoal!

http://www.datalyzer.com.br