CEP - Controle Estatístico de Processo
Ano IV - Nº 47 - Novembro/2007
Racionalização dos custos

Se considerarmos que o objetivo de uma empresa é a satisfação das pessoas com ela envolvida (clientes, empregados e sócios), temos que desmembrar este objetivo em objetivos secundários, por exemplo: QUALIDADE intrínseca (do produto ou serviço), custo (envolvendo preço e lucro) e atendimento (prazo de entrega e quantidade). São os objetivos secundários que orientam o gerenciamento da empresa.

Assim, se o custo é um fator importante na obtenção da QUALIDADE de um produto ou serviço, é importante o conhecimento do “custo agregado” em cada uma das etapas do processo.

Existem algumas maneiras de se abordar os custos envolvidos. Inicialmente, podemos classificá-los em “Custos Diretos” e “Custos Indiretos”.

Exemplos de “custos diretos” são:

  • os custos envolvidos com as averiguações e análises para que se atinjam melhores níveis de QUALIDADE;
  • os custos relacionados ao objetivo de se garantir uma conformidade com a QUALIDADE;
  • os custos relacionados às inspeções de matérias-primas e materiais, inspeções e testes durante o processo de fabricação e inspeções e testes no produto final;
  • os custos incorridos com as falhas, que são as perdas resultantes da rejeição de produtos considerados como refugo, as perdas decorrentes de materiais recebidos com defeito, bem como os retrabalhos com os produtos defeituosos;
  • os custos com atendimento a reclamações, com a reposição e reparo dos produtos.

“Custos indiretos” podem ser definidos como os custos praticamente imensuráveis, mas, se possível, devem ser de alguma forma estimados, por exemplo, custo com a perda de reputação, conseqüência da insatisfação dos clientes.

Em um processo de “gerenciamento da QUALIDADE” são necessárias informações que indiquem, para diversas áreas da empresa, a necessidade de introdução de melhorias nos processos e nos procedimentos, com o objetivo de eliminar desperdícios e reduzir custos.

Quanto se deve investir em QUALIDADE para se ter menores custos?

A experiência tem mostrado que com o investimento em QUALIDADE, há uma sensível redução nos custos, além de aumento na produtividade, como conseqüência da redução das perdas, dos retrabalhos e das devoluções.

Sabemos que quanto mais investimentos forem feitos em controles (maior custo de controle), menores serão as falhas (menor custo das falhas) e vice-versa. Na prática, devem ser feitas análises dos custos e avaliações dos investimentos e feitas correlações com alguns indicadores de desempenho.

Análise dos resultados de investimentos em QUALIDADE

Devem ser escolhidos alguns indicadores para quantificação dos custos envolvidos com a QUALIDADE antes e depois dos investimentos. Esses indicadores vão depender do tipo de empresa e do tipo de informação que se deseja obter.

Alguns exemplos:

  • quantidade e custo de produtos refugados;
  • quantidade e custo dos retrabalhos;
  • quantidade e custo de matérias-primas refugados em relação ao total consumido;
  • percentual de entregas fora do prazo, resultantes de problemas de QUALIDADE;
  • quantidade e custo das devoluções para reparo;
  • quantidade e custo das reposições;
  • perdas de faturamento pela reclassificação como produto de 2ª linha.

Portanto, a dica é controlar a qualidade dos processos para evitar os desperdícios de matéria-prima, produtos e mão-de-obra.

 


doutorcep@datalyzer.com.br
PPM (partes por milhão)

Introdução

Os efeitos de saúde de toda substância tóxica são relacionados à quantidade de exposição, também conhecida como dose. Quanto maior a dose, mais severos os efeitos.

Alguns produtos químicos podem causar intoxicação em doses muito baixas e assim é importante compreender como estas quantidades muito pequenas são descritas.

É especialmente importante compreender como as doses baixas se comparam a outras e o que representam quando comparadas às quantidades de substâncias familiares.

Partes por milhão (PPM), partes por bilhão (PPB) e partes por trilhão são termos comumente usados para descrever quantidades muito pequenas de uma substância no nosso ambiente. Mas o que esses termos representam? Eles são medidas de concentração, ou seja, a quantidade de um material em uma grande quantidade de outro material. Por exemplo, o peso de uma substância química tóxica em um certo peso de comida. Outro exemplo: cientistas podem medir a concentração de uma substância química em grandes lagos observando pequenas amostras. Eles não medem a quantidade total de substâncias ou a quantidade de água de todos os lagos.

Um exemplo pode ajudar a ilustrar a idéia de partes por...

Se você divide uma torta igualmente em 10 partes, então cada parte seria uma parte por 10; por exemplo, 1/10 da torta total. Se você cortasse esta torta em 1 milhão de partes, cada parte seria muito pequena e seria representada como 1 milionésimo da torta total ou 1 parte por milhão da torta original. Se você cortasse cada uma dessas partes em 1000 pequenas partes, então cada uma dessas novas partes seria 1 parte por bilhão da torta original. Dando uma idéia de como isso seria pequeno, um grão de sal em 10 toneladas de batata chips é também 1 parte por bilhão.

Neste exemplo, as partes da torta foram compostas do mesmo material que o todo. Entretanto, se houvesse um contaminador na torta em um nível de uma parte por bilhão, uma destas partes invisíveis de torta seria composta do contaminador e as outras 999.999.999 partes seriam puras.

Similarmente, uma parte por bilhão de uma impureza na água representa uma fração minúscula da quantidade total de água.

Comparações e Conversões

Às vezes, em vez de usar a terminologia “parte por…” , as concentrações são relatadas em unidades de peso; como o peso da impureza comparado ao peso do total.

O sistema métrico é a maneira mais conveniente de expressar isto desde que as unidades métricas vão por etapas de dez, de cem e de mil.

Por exemplo, um miligrama é um milésimo de um grama e um grama é um milésimo de um quilograma. Assim, um miligrama é um milésimo de um milésimo, ou um milionésimo, de um quilograma. Um miligrama é uma parte por milhão de um quilograma assim, uma porção por milhão (PPM) é o mesmo que um miligrama por quilograma.

A parte por milhão é abreviada como PPM, um miligrama por quilograma tem sua própria abreviatura - mg/kg. Usando nossas abreviaturas, um PPM é igual a um mg/kg.

Quilogramas e miligramas são unidades de peso que não se aplicam a volumes de líquidos ou gases. Em vez de um quilograma, a unidade de volume de líquido mais usada é o litro. Um litro de água pesa um quilograma. Se o contaminador é um sólido, é medido em miligramas. Assim, 1 parte por milhão de um sólido em um líquido pode ser escrita com um miligrama por litro e abreviado por mg/l.

Estas são as unidades mais comuns que são encontradas. Entretanto, com a habilidade de detectar mesmo quantidades menores de contaminadores, os termos parte por bilhão e a parte por trilhão estão se tornando mais comuns. No sistema métrico de peso, um micrograma é um milésimo de um miligrama.

Desde que um miligrama é um milionésimo de um quilograma, e o micrograma é mil vezes menor, que é equivalente a um bilionésimo de um quilograma.

Entenderam?

No próximo mês, o informativo Dr. Cep mostrará como calcular o índice PPM.

Até a próxima edição!

http://www.datalyzer.com.br